*Ainda no segmento do post anterior, me lembrei de uma história triste e resolvi compartilhá-la.*


Quando a biografia do Kurt Cobain foi lançado no Brasil, em 2002, eu fiquei enlouquecida.
Logo consegui meu primeiro emprego e não tive dúvidas, Mais Pesado Que o Céu seria a primeira compra com o meu próprio dinheiro.


Após ler e reler o livro, cheguei à conclusão de que ele não superou minhas expectativas por conter, em excesso, partes relativas à vida profissional do Kurt. Tudo bem, estamos falando da biografia de um artista cuja fama se alastrou rapidamente pelo mundo. É claro que foi interessante entender, ainda que superficialmente, os motivos cruelmente ligados ao passado e aos dissabores que a fama trouxera consigo, que resultaram no tão inesperado quanto impactante suicídio
No final das contas o livro não se tornou um de meus favoritos mas ainda assim, ele tinha um inestimável valor sentimental.

No ano passado, percebi que meu querido livro, após dez anos de existência, estava sendo tomado por pigmentos amarelados, até então muito pequenos. Você pode pensar que eu não cuidei bem dele, mas realmente não foi o caso.

Eu poderia deixá-lo na estante e retardar o crescimento destas manchas, bem como o aparecimento de novas. Mas resolvi, com dor no coração, passá-lo adiante. E essa atitude, que deveria ser bacaninha, tornou-se desastrosa.

Era uma de minhas primeiras trocas pelo Skoob

Descrição da troca no Skoob

Encontrei uma menina super gente boa, a Maísa, que estava interessadíssima no livro e que fez com que eu me lembrasse daqueles dias onde eu tanto desejei colocar as mãos naquela biografia e dizer que era minha.

Trocamos o livro pelo sistema Plus. Ela chegou a comprar um crédito (R$9,90)  para poder concretizar a troca e por fim, solicitou o livro.

No momento do envio, comprei uma caixa no próprio correio, coloquei o livro dentro e enderecei. Enviado.
Dias e dias se passaram até que o código de rastreio acusou que a Maísa deveria buscar a encomenda em determinado correio, que era super longe da casa dela.
Quando ela chegou ao correio descrito no código, se deparou com a encomenda: apenas uma caixa vazia.

A atendente disse que o 'furto' provavelmente ocorreu no correio de origem, pois a caixa já chegou vazia. Eles fizeram a Maísa preencher um papel descrevendo o estado em que recebeu a caixa e abriram uma ocorrência que nunca foi finalizada. Eu recebi a caixa vazia de volta, juntamente com o papel assinado pela atendente. E existe uma coisa que até hoje me incomoda: na ocasião, eu não fiz absolutamente nada para reaver meu livro. Ele "se perdeu" no meio do caminho e eu nem ao menos sei quem é o salafrário que o levou embora.

Era meu início como 'trocadora', eu pensei que, já que haviam aberto uma ocorrência, eu deveria esperar. Mas nada aconteceu. E nunca acontecerá. E eu não fiz nada para reaver meu livro, meu primeiro bem material, minha biografia do Kurt Cobain!

Eu e a Maísa saímos perdendo e ela, mesmo após ter gasto dinheiro para comprar um crédito e fazer a solicitação, ainda teve a decência de dividir os créditos comigo (o livro custava 2 créditos), já que eu também havia gasto dinheiro no envio e também perdera um livro.

Deve ser este o motivo da minha ânsia em resolver pendências relacionadas a livros, ainda que os problemas não tenham sido comigo.
Hoje, quando um livro demora para chegar ao seu destino, eu não perco tempo e entro em contato com os Correios.

Sei que não adianta lamentar o passado, mas é inevitável. Essa é uma, das pouquíssimas amarguras que tenho até então, relacionadas a trocas.



The End

Artigos relacionados:




Quote da Semana

"Somos todos estranhos de um jeito diferente, e isso é normal. E mesmo que exista muita coisa que eu não possa dizer para eles, é bom me sentir parte de um grupo." (Cartas de Amor aos Mortos - Ava Dellaira)

2 comentários:

  1. Nossa, muito triste mesmo. Tive a sorte de nunca ter tido problemas no envio e recebimento de livros pelo skoob. E entendo perfeitamente o drama, nós, apaixonados pela leitura, não trocamos um livro por não gostar dele, é apenas no intuito de fazer outras pessoas lerem, e assim adquirirmos mais! Então, é muito triste quando um de nossos amores não chegam ao destino. É um livro que tenho vontade comprar até hoje, e é muito difícil de encontrar, então você ia trocar uma preciosidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Bia. Eu também acho que a troca de livros beneficia todo mundo. E nem me fale quanto ao livro do Kurt ser uma preciosidade hoje em dia.
      Se a troca tivesse dado certo, tudo bem. Mas não saber aonde o livro foi parar é triste, viu?
      Mas fazer o quê, né? :(

      Beijo

      Excluir

Obrigada pela visita! Não deixe de comentar...

Topo